Festival do Bacalhau em Melgaço

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Festival do Bacalhau em Melgaço

Mensagem  Mestre da Culinária em Ter 14 Abr 2009, 13:33

Festival do Bacalhau em Melgaço


Aproveitando o potencial gastronómico de um dos mais apreciados produtos portugueses - o bacalhau - Melgaço organiza, nos dias 5 e 6 de Junho, o I Festival do Bacalhau.

Assim, e durante dois dias, os visitantes poderão provar diversas variantes deste prato, confeccionada por seis restaurantes locais, e disponíveis nas tasquinhas distribuídas por um espaço coberto com cerca de 2.000 m2.
O recinto, de entrada livre, funcionará entre as 11h30 e as 24h00 horas, e os diversos pratos serão servidos na louça do “Kit” alusivo ao Festival, e que estará à venda à entrada do certame.

Para além de provar os diversos sabores típicos, os participantes no Festival poderão ainda adquirir produtos locais associados à nossa gastronomia e cultura, como o Vinho Alvarinho, o fumeiro, a broa, as compotas e os licores, ou participar no programa de animação organizado para o efeito, e que conta com visitas guiadas pela Rota do Vinho Alvarinho, concertinas, gaiteiros, descidas do Rio Minho, caminhadas, jogos tradicionais e muito mais…

Fonte:
avatar
Mestre da Culinária
Moderador

Mensagens : 535
Data de inscrição : 03/03/2008

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Festa do Alvarinho e do Fumeiro de 01 a 03 de Maio 2009

Mensagem  Mestre da Culinária em Ter 14 Abr 2009, 13:37

avatar
Mestre da Culinária
Moderador

Mensagens : 535
Data de inscrição : 03/03/2008

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Melgaço e a Gastronomia

Mensagem  Mestre da Culinária em Ter 14 Abr 2009, 13:43

Melgaço e a Gastronomia

Melgaço é um roteiro obrigatório para apreciadores e especialistas gastronómicos, já que aqui sobrevivem usos e costumes que conferem aos produtos locais características de requintado e irresistível sabor.
Por isso mesmo são muitos os turistas que se deslocam ao concelho para poderem apreciar os sabores únicos da gastronomia local.




A cozinha tradicional desta região é simples mas de grande qualidade, havendo uma relação directa entre os ingredientes colhidos na região e os pratos típicos tradicionais, nomeadamente o cobiçado cabrito assado no forno de cozer o pão, a lampreia com arroz à bordalesa, frita com ovos ou assada, as trutas do Rio Minho abafadas, o sarrabulho, os grelos com rojões, a bola da frigideira, o bolo da pedra, a água d’unto, o bucho doce, as migas doces e os pastéis mimosos. Junte-se-lhe o insinuante presunto, de cor rosa-avermelhada, de Fiães e Castro Laboreiro, e os diversos enchidos, acompanhados com um vinho Alvarinho, e encontram-se reunidas todas as condições para usufruir de uma refeição magistral.




Pratos típicos:
- Lampreia com arroz à bordalesa, frita com ovos ou assada;
- cabrito assado no forno de lenha;
- bifes de presunto;
- presunto e enchidos;
- Trutas do Rio Minho abafadas;
- Sarrabulho;
- grelos com rojões;
avatar
Mestre da Culinária
Moderador

Mensagens : 535
Data de inscrição : 03/03/2008

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

História do Alvarinho

Mensagem  Mestre da Culinária em Ter 14 Abr 2009, 13:45

História do Alvarinho

Foi no Noroeste, no coração mais povoado de Portugal desde os tempos asturo-leoneses, que a densa população cedo se espalhou pelas leiras de uma terra muito retalhada.
A partir do século XII existem já muitas referências à cultura da vinha cujo incremento partiu da iniciativa das corporações religiosas a par da contribuição decisiva da Coroa.

A viticultura terá permanecido incipiente até aos séculos XII-XIII, altura em que o vinho entrou definitivamente nos hábitos das populações do Entre-Douro-e-Minho. A própria expansão demográfica e económica, a intensificação da mercantilização da agricultura e a crescente circulação de moeda, fizeram do vinho uma importante e indispensável fonte de rendimento.

Embora a sua exportação fosse ainda muito limitada, a história revela-nos, no entanto, que terão sido os «Vinhos Verdes» os primeiros vinhos portugueses conhecidos nos mercados europeus (Inglaterra, Flandres e Alemanha), principalmente os desta região e os da Ribeira de Lima.

No século XIX, as reformas institucionais, abrindo caminho a uma maior liberdade comercial, a par da revolução dos transportes e comunicações, irão alterar, definitivamente, o quadro da viticultura regional.

A orientação para a qualidade e a regulamentação da produção e comércio do «Vinho Verde» surgiriam no início do século XX, tendo a Carta de Lei de 18 de Setembro de 1908 e o Decreto de 1 de Outubro do mesmo ano, demarcado pela primeira vez a «Região dos Vinhos Verdes».

Questões de ordem cultural, tipos de vinho, encepamentos e modos de condução das vinhas obrigariam à divisão da Região Demarcada em várias sub-regiões.

Pelo decreto lei nº 275/73, se confirmou e legalizou uma tradição, reservando a designação ALVARINHO, ao vinho verde produzido apenas na sub-região de Monção, concelhos de Monção e Melgaço, em terrenos de meia encosta, da bacia hidrográfica do rio Minho, obtido pela produção e transformação de uma única casta de uva branca assim designada. É nesta sub-região (concelhos de Melgaço e Monção) onde existem as condições ideais de microclima e solo para o cultivo e maturação desta uva única e genuína. Existem várias teorias sobre a origem desta casta. Uns dizem que veio do Reno, outros, que veio da Grécia e outros (talvez os mais certos) que é originária do Nordeste da Península Ibérica, mais precisamente desta Sub-região, onde, ao longo dos Séculos se acomodou às características do solo e do clima.

A casta Alvarinho é considerada, por muitos, a melhor casta branca enxertada nas vinhas portuguesas. A sua raridade, a baixa produção e, principalmente, o facto de dar origem a vinhos únicos em termos de aroma e sabor, leva a que as uvas Alvarinho sejam as mais valiosas e bem pagas de todo o País. Tal facto faz com que o vinho Alvarinho seja um vinho nobre e com grande capacidade de concorrência nos mercados nacionais e internacionais, que talvez poucos vinhos portugueses terão. A casta Alvarinho, tal como se encontra nos vinhos hoje produzidos, é uma concorrente directa às principais castas brancas mundiais.

(fotos)



O vinho Alvarinho é um pouco diferente dos restantes Vinhos Verdes, pela sua estrutura, pelas suas características singulares e sua mais elevada graduação alcoólica (entre 11º e 14º).
Os vinhos verdes são leves, pouco alcoólicos (8,5º -10º) e menos encorpados. O vinho Alvarinho é um Vinho Verde branco, de paladar fresco, de cor citrina e de aroma delicado. Tem carácter requintado e é, pela sua originalidade, considerada por muitos espertos do ramo um dos melhores vinhos brancos do mundo.



Qual o segredo do Alvarinho?

Sem dúvida, a localização privilegiada das vinhas que desfrutam de um micro-clima muito especial (com exposição atlântica e um clima caracterizado por elevada pluviosidade, humidade atmosférica, temperatura amena e pequenas amplitudes térmicas) e na sabedoria das nossas gentes que seleccionam criteriosamente o melhor estado de maturação das uvas. As novas tecnologias de fermentação aliados a processos ancestrais de vinificação, contribuem para extrair toda a qualidade das uvas que chegam às adegas. É nesta fase que cada produtor imprime ao seu vinho um cunho pessoal que contribui decididamente para uma maior diversidade do universo dos vinhos Verde Alvarinho de Melgaço.



Como beber

Únicos no mundo, a grande parte dos vinhos Alvarinho são consumidos ainda jovens, realçando toda a frescura e o carácter da casta. Dadas as suas qualidades, este maravilhoso néctar exige que seja bebido fresco, a uma temperatura entre os 10º e os 12º C. Deve ser arrefecido lentamente para que conserve o aroma e servido de preferência em “frappé”, com garrafa aberta vinte a trinta minutos antes de ser consumido. Excelente para aperitivo, acompanha muito bem mariscos e peixes de sabor intenso ou ainda peixes gordos assados no forno. Os produtores desta região, recomendam que os seus vinhos sejam acompanhados pelos deliciosos produtos locais, o bom fumeiro tradicional, o cabrito do monte, sável de escabeche ou frito, salmão grelhado e lampreia seca grelhada ou frita com ovos.

Fonte: http://www.cm-melgaco.pt/portal/page/melgaco/portal_municipal/Turismo/turismo_alvarinho
avatar
Mestre da Culinária
Moderador

Mensagens : 535
Data de inscrição : 03/03/2008

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Festival do Bacalhau em Melgaço

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum